Por que as startups digitais estão no centro da inovação dos negócios

As escolas de Administração e marketing ensinam que para abrir uma empresa nova, o empreendedor deve planejar cuidadosamente todos os passos: a criação de um produto diferenciado, a estruturação de uma equipe de alta performance, o desenho detalhado dos planos de gestão e marketing, além de toda a infraestrutura física. Só aí então a empresa pode seguir para o mercado.
As novas startups digitais ensinam uma lição bem diferente. Para colocar os negócios no ar, o empreendedor precisa ter um produto com as condições mínimas de utilização, a equipe deve ser a mais enxuta possível, o plano da gestão não precisa ser detalhado e a infraestrutura básica já é suficiente. Para muitos, basta uma garagem. O ponto crítico nesse caso é a resposta dos consumidores. Se eles aprovarem o produto, aí então o empreendedor investe mais ativamente para melhorar todos os componentes. Se não for, ele abandona o empreendimento e segue para outro.
Nas startups, o fracasso não é um pecado. Muito pelo contrário, corresponde a parte do processo de amadurecimento do empreendedor. O importante, caso ele aconteça, é que seja rápido, com um mínimo de investimento. Para as startups, tudo começa com o consumidor. Ele é o ponto de partida dos negócios.
Para as empresas tradicionais, falhar é o resultado de um plano de negócios mal desenhado. Se tudo for muito bem planejado e executado, os consumidores aparecerão. O tempo que a empresa precisa para ter sucesso pode ser extenso, e o empreendedor deve ter a paciência necessária que os negócios exigem.
Se você fosse abrir um novo negócio, qual estratégia preferia seguir? Não se esqueça, já estamos no século XXI.
 
Do portal Administradores.

Deixe uma resposta